o céu partido ao meio, no meio da tarde.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

o tal do erro

e eu te respiro,
porém, tens me sufocado.
prefiro expirar-te
enquanto ainda sobra, em mim,
resto líquido
de amor próprio.

(teu ar tão leve, tão brisa,
agora me é vendaval,
que desliza arranhando a garganta
e explode, grotesco, aos pulmões.)

F;

4 comentários:

Rubicreide disse...

tão leve...
Eu gosto disso... poemas tão refrescantes, quase de toque gelado, de espinha.... sabe?

Sentilavras disse...

Caramba... senti um arrepio!

leila saads disse...

Lembrou um poema que li hoje:

Não te quero
Só para mim,
Nem poderia...
Quero-te
Para ti mesmo
E para tua vida
Quanto mais fores
O que quiseres
Mais serás
O que eu queria...

Lau Siqueira

.

É triste confundir amor com prisão... Pelo menos eu acho=)

Vou dar mais uma volta por aqui, fico feliz que tenha gostado do meu blog, é sempre bom receber comentários espontâneos assim, ainda mais numa nova fase!

Um beijo!

carolina disse...

eu te respiro, porém tens me sufocado. agora é vendaval.
era exatamente o que eu queria dizer. lindo, lindo.