o céu partido ao meio, no meio da tarde.

domingo, 4 de fevereiro de 2018

A dor dos rosários

Mas se a tua alegria contagiava a casa
e o teu silêncio 
abraçava a família inteira. 

as mãos  de panela
e o umbigo de avental,
entre os tanques e as massas de pão 
sovadas com a força 
das que resistem:
a comida egrégia 
e o cuidado materno

Poxa, vó 

a gente sabe que é ciclo
que o teu nascer forte
se esvai em resmungos deslucidos,
mas a dor dos teus rosários 
se espalha
e consome cada um de nós. 

teu peso redondo 
afundado na cama
nos derrete sempre que os teus olhos,
brancos de fadiga e espera,
nos miram pedindo auxílio. 

Não sabemos como reagir. 

E eu, vó,
na minha estúpida impotência 
só versejo o grito 
que se oculta
detrás da garganta
e, como em oração,
destilo palavras no ar
emburrado com o modo das coisas
e com a vida
e com tudo o que há. 

Tua raiz grossa
te transforma em planta,
mas os teu desvarios não serão em vão:
o teu pedido será ouvido, vó
e os teus punhos fechados 
nas longas tardes de reza
confortarão o teu peito

e os nossos corações
também reconhecerão as preces
que fizestes todos os dias
com teu amor extendido
num guardanapo
sobre nossas
cabeças. 

F;

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Sangre y duda

Yo no quiero escribir. 

Y dejar que el verbo
me escupa la carne
agarrándose 
de los dolores
moribundos 

No, no quiero escribir!

Y armar la sentencia más profunda
que la oscuridad del país
donde el sol asqueroso
no tiene las agallas
de clarearnos la mente
y se esconde cobarde
en mis sombras
también cobardes

No!

No quiero la palabra energúmena 
y descentralizada 
que corrompe 
en vez de 
acariciarnos la idea
que arranca trozos
regurgitando el corazón 
en sangre y duda. 

No quiero intentar 
el exorcismo idiota
de los impuros
de los ineptos
que abrazan maldiciones
como quien abraza a un
amigo. 

No voy a escribir. 

También por que sé
que las bestias no escriben
solo mastican conjugaciones 
crudas 
aliviando su monstruosidad
en el acto más estupido 
de los seres humanos. 

Soy la fiera
arañándome las vísceras
masticando lo de adentro
para esconderse del astro
que recordó 
a su papel
y que viene 
como un hijo mal nacido 
a hechizarnos el cielo
enjaulando los demonios
por poco tiempo

hasta que todo recomience
en un eterno retorno
a carcomernos lo escrito
y lo hablado

porque la palabra
no tiene sentido. 

F;

domingo, 3 de dezembro de 2017

O caldeirão dos feiticeiros

- Você está obcecado com os seus dentes!

(Ora, meu caro. Não é simplesmente uma questão estética. Quando olho no espelho depois da comida, quero me certificar de que tudo esteja no seu devido lugar. Quero estar confiante. Não é limpeza: é insegurança. É o meu inconsciente vigilante. Não é medo da imundície, da sujeira. Sou eu tentando transparecer o lado mais pulcro. Não é o pedaço de herbácea que destoa: sou eu exigindo que haja espaço suficiente para que as minhas palavras fluam sem empecilhos. Sou eu querendo falar no teu ouvido no meio dessa gente toda. Sou eu me escondendo detrás desses pedaços esmaltados, chamando a tua atenção, fazendo que me mires com esses teus olhos cansados: olhos de quem se faz detrás do figurino. A minha obsessão em tê-los polidos é tão somente o reflexo do que eu quero que vejas. Quero estar sempre a postos, com os caninos afiados e preparados como armas, para que, quando gires esse teu rosto delicado - com o gesto sútil dos que caminham com os pés abertos - não enxergues nada mais. Que a mesa desapareça. Que a comida se desfaça. Que o vinho se derrame sobre o teu corpo, tão miúdo e belo, e que te encante. Que eu te encante. Que os meus lábios sejam o teu objetivo de prazer. A minha boca é o caldeirão dos feiticeiros. Quero derramar sobre ti a saliva ácida de quem mata dragões. A minha boca é a cova dos dragões. E quero somente te devorar por completo. Minha preocupação não é superficial. Quero ter os molares decididos a morder a tua pele clara. Quero ter a facilidade de enterrar os incisivos na tua massa feita à mão e decorada de rabiscos. Quando sorrio no espelho e te resguardo de canto estou pedindo para que me queiras. O meu sorriso é a minha carta de entrada. O meu sorriso é o meu menu principal. E farei de tudo para que me percebas e me desejes. Sorrirei até endurecer os maxilares para demonstrar o que o meu olhar, já tão anestesiado, não consegue transmitir. O sorriso é o salva-vidas da alma. E os meus dentes brancos são o convite desesperado para que mergulhes.)

- Gosto de tê-los limpos. Sempre.

E te sorri tão profundo que afoguei
as olheiras em minhas próprias
sobrancelhas.

(Esse sorriso,
meu caro,
é tudo o que tenho
para
te oferecer.)

F;

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Boneca nova e fruta

Eu te amando de longe e o tonto coração fugindo do peito. Nas madrugadas a tua presença me urge, dilacera a alma, corrói os órgãos. A tua falta é um vírus que me consome e eu, sorrindo, entrego-me a esse estado. Eu morro toda vez que te penso: antes de obrigar meus olhos a descansarem e depois, quando renasço na manhã, e te busco na cama vazia. Me encharco de frio ao ouvir as aves que cantam rompendo o silêncio, mas que insistem em não trazê-lo. A minha oração é sempre a mesma: faz-me tê-lo de novo; faz-me despertar a quilômetros daqui, onde a respiração ofegante enche as minhas bochechas de rosado e elimina a minha sede, no suor do nosso encontro. Teus odores de boneca nova e fruta me acariciam o ego e aumentam os meus volumes. Tua mão desproporcional envolve todo desejo no punho, me habilita a estremecer e, com os olhos vidrados, gozar da felicidade que é nossa. Eu juro que é nossa. As árvores sem cor me contaram. O sol que bate tímido nos vinhedos é um sinal. Nem questiono. Nem te questiono. Não tenho resposta, mas eu sei que é. E sei que as flores que riem tolas no asfalto são sinceras. Sei que aquele senhor que vaga enquanto outros dormem, jogando fora os restos de comida e acariciando aquele cachorro, são provas indiscutíveis. E quando a noite, insistente e perfumada, resolve dançar sob minha roupa, sei que é a tua língua potente endurecendo-me os mamilos. Sei que a luz amarela dos postes revela os teus cabelos enredados em minhas mãos. Eu sou teu e nem de mim sou. Decido repousar em ti a saudade. Eu sou teu e não sabia. Mas a cidade pequena soube. Os carros estacionados desordenadamente souberam. Os cintilantes dos topos das casas tiram sarro da minha dúvida e, desafiando-me, agregam: - Está dentro. Eu nem sabia que havia interior. Na verdade eu sabia, mas não imaginava que existisse coisa além de muros, bestas e eco. Tudo isso rebateu. E forçou-me um brado, como se me tivesses exorcizado e, sem outra alternativa, algum demônio meu houvesse escalado as entranhas e se liberado no ar escuro. A noite é a pupila dos teu olhos. O meu canto é o esforço de sentir o cheiro que exalo quando te toco. 
Meus gestos já não sabem mover-se senão através da linha do teu corpo. 
E os meus lábios já tão cansados
não sabem dizer palavra alguma. 
Somente brincam e se arriscam,
feito as folhas que caem,
a balbucear:
vem 
para
mim. 

F;

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

O amigo dos cavalos

- Doutor, eu juro que não estou doente. Sei que não consigo pensar em outra coisa. Sei que minha ideia fixa é passível de ser reconhecida como psicose, mas não estou doente! É a voz dele que retumba em todas as paredes. É o despertador que me acorda com ele dizendo: bom dia! Eu sei que é. É ele que cacareja às cinco da manhã no galo da vizinha e tenho certeza que é o sorriso dele que abre o céu, quando o sol penetra o horizonte. Por favor, doutor, entenda que não estou louco. Entenda que quando cruzo a rua e vejo-o nos galhos tímidos e secos das árvores é porque realmente a face dele lá encontra-se. Entenda que as pessoas passam por mim e, mal intencionadas, derramam o cheiro dele no ar frio... eu juro que sim! Por favor, doutor, não é doença. O fato é que a risada dele está em cada um que tropeça, em cada balão que estoura. Eu o vi naquele festival italiano do vinho - o senhor estava? Lembro-me que cada ator com perna-de-pau era ele de máscara. Cada palhaço que se apresentava, entre anciões e recém-nascidos, era ele querendo falar comigo. Eu tinha uma criança no colo e sei que era ele ocultando as minhas sombras. Tudo o que é malicioso em mim, doutor, desvanece! O senhor vê que não é alucinação? Ele me santifica, doutor. Entenda que é etéreo o que acontece. Uma vez me disseram que é amor. Mas se o amor for patologia, estarei perdido. Estou tão imerso que já aprendi a respirar debaixo d’água. Já não posso mais caminhar, doutor, pois meu corpo tornou-se líquido e as luzes da superfície navalharão-me os olhos. Deixe-me submergir na pequena morte que a cintura fina dele me traz. Ele me mata, doutor. Estou morto ou estou vivo? Me diga, doutor! Comprove que a dor que preenche o meu coração é somente uma esquizofrenia. Que tudo isso é um truque da minha mente. Que não existo. Que ele não existe. Prove, doutor, que a distância é traiçoeira. Que a lembrança da mão dele na minha é mentira. Que a minha língua contornando-o é memória falsa, que é invenção. Por favor, doutor, acho que não estou bem. Meu coração se esmaga contra as minhas costas e impede a circulação. Se isso é amar, doutor, devo estar amando por completo. Amo da ponta dos meus cabelos duros ao dedões dos meus pés magros e feios. Sinceramente, doutor, se esse for o diagnóstico, não terei escapatória. Me tendo ao destino e peço-lhe que não me trate. O amor não tem remédio. O amor é o âmago gritando - o senhor escuta? O amor é o braço que atravessa o tempo montado a cavalo. Já lhe disse, doutor, que o meu nome significa o amigo dos cavalos? 
Sou demente, doutor, sou. E opto sê-lo. 
Quero sangrar pelo nariz e, qual criança, olhar para o alto com a cabeça para trás. Quero dançar a valsa tórpida composta pelos passos tronchos dele - o senhor escuta? É um tenor agudo que se ouve, que perfura os espíritos. 
Me interne, doutor. Porque se for para viver sem a orelha dele no meu peito, juro que prefiro a insanidade. 

O meu amor está prescrito nas bulas. O meu amor é a loucura dos incertos. 
O meu amor é a gargalhada que esbarra no palco
e o derruba no suor 
dos meus medos:
das 
doidices 
das 
saudades. 

F;